sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Shakespeare Apaixonado

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010


Título original: Shakespeare in Love

Ano: 1998

Direção: John Madden

Roteiro: Tom Stoppard, Marc Norman

Gênero: Romance

Origem: Estados Unidos/Inglaterra

Duração: 122 minutos



Quero poesia em minha vida. E aventura. E amor. Acima de tudo amor. Não a atitude simulada do amor... mas o amor que avassala a vida. Incontido, desgovernado, como um motim no coração. Que nada possa deter. Nem a tragédia nem o êxtase.


São esses os apaixonados dizeres – enunciados pela doce personagem de Gwyneth Paltrow – com os quais o telespectador é brindado ainda nos primeiros minutos de Shakespeare Apaixonado, filme vencedor de sete óscars no ano de 1999. Nesse ponto, devo confessar a minha provável inaptidão para comentar essa obra de John Madden, tal é a variedade de opiniões por mim identificadas nas tantas pesquisas que fiz na internet. Os sete óscars a ela cedido – em especial no tocante às categorias Melhor Filme, Melhor Atriz (Gwyneth Paltrow) e Melhor Atriz Coadjuvante (Judi Dench) são alguns dos pontos nevrálgicos dos críticos ao comentarem a obra, que, a princípio, eu defino como belíssima, reconhecendo, porém, o fato de a mesma deixar o telespectador com a sensação de haver-lhe faltado algo.


Nesse âmbito, se eu quisesse (e pudesse) listar o que falta a Shakespeare Apaixonado, eu colocaria, como primeiro elemento da lista, a consistência. Embora ciente da possibilidade de estar eu equivocado, parece-me ser inconcebível ao telespectador moderno uma história de amor – estória, para este caso – alicerçada em uma premissa inverossímil, como é o caso do romance entre Will (Joseph Fiennes) e Viola (Gwyneth Paltrow). Esta última, antes mesmo de conhecer o seu amado, já era, de alguma forma, apaixonada pelo mesmo, tal era o seu encantamento diante das peças que assistia no magnífico The Rose Theatre, onde, na vida real, Shakespeare realizou os seus primeiros trabalhos, acredita-se. O personagem de Fiennes, por sua vez, apaixona-se pela heroína à primeira vista, deslumbrando-se com a sua imagem ao conhecê-la durante uma valsa. E aí temos um outro problema: enquanto Will descreve para seu companheiro a bela mulher que contempla diante de si, a sua descrição não corresponde ao que o telespectador vê de fato.


Aqui, vale tecer alguns comentários sobre a atuação de Paltrow em Shakespeare Apaixonado. Dela, pode-se dizer, em primeiro lugar, que é uma mulher de aparência comum, dando vida a uma personagem talvez doce demais para o que um homem com o perfil psicológico do personagem Will pudesse esperar de uma mulher. Isso, porém, o telespectador releva sem dificuldade. Em segundo lugar, menciona-se o fato de que a interpretação afetada de Paltrow nas manifestações do exacerbado amor de sua personagem soa como sarcástica, o que, a despeito de tratar-se de uma comédia, não me parece ser a intenção de Madden. O amor ali, penso, era para parecer sincero. Tudo isso, creio, deve-se muito à inadequação de Paltrow para o papel, o que me leva a lamentar o fato de Kate Winslet – a Rose DeWitt Bukkater, de Titanic (1997) – haver recusado o papel. Não sejamos, porém, assim tão duros com Gwyneth Paltrow. Ela tem lá os seus momentos de brilho no filme, e, apesar dos pontos negativos, acaba por defender bem a sua Viola. A sua atuação, porém – e disso eu estou certo – não a torna digna de desbancar concorrentes como Fernanda Montenegro e Maryl Streep, como aconteceu.


Ainda focando as atrizes, prefiro não entrar no mérito da premiação com o óscar à Judi Dench, não podendo negar, todavia, que as três ou quatro aparições da atriz como a imponente Rainha Elizabeth, somando algo próximo de seis ou sete minutos, são o suficiente para que o telespectador perceba que Dench não está ali a passeio. Acredito haver uma certa tendência a exaltarmos a atuação de atores idosos no cinema, não sei se por respeito ou se pelo brilhantismo que o tempo, naturalmente, atribui a esses atores, mas isso nem me parece lá de grande relevância. A personagem de Dench, com sua fala incisiva, sua expressão lacônica, dividida entre a consciência da dureza de ser mulher e a necessidade de fazer a justiça dos homens, coloca a atriz em alto patamar, rendendo-lhe, sim, muitos merecimentos.


Quanto a Fiennes, não resistirei a mencionar que o mesmo não está, infelizmente, tão, digamos, “exposto” como estaria quatro anos mais tarde em Mata-me de Prazer (2002). A despeito dessa lástima, porém, o ator defende bem o seu papel, dando vida a um Shakespeare romântico, engraçado, o que fica difícil de imaginarmos sobre o dramaturgo à leitura de tragédias como Otelo, Hamlet e mesmo Romeu & Julieta. A meu ver, Fiennes aparenta ter a idade certa para o papel (tinha apenas 28 anos na ocasião das gravações, mas o personagem aparentava estar na casa dos trinta) e a aparência pertinente ao que o diretor pretendia: sedutor, com um olhar que, de acordo com a necessidade, se alterna entre o frio, o piedoso e o apaixonado. Isso, porém, ainda não o torna digno do óscar e fico feliz que a Academy of Motion Picture Arts and Sciences não haja cometido em relação a ele o mesmo erro que cometeu ao premiar Paltrow. Já a indicação do mesmo na British Academy of Film and Television Arts, na categoria Melhor Ator, e no MTV Movie Awards, na categoria Melhor Revelação Masculina (e que revelação...!) parecem-me justas.


Talvez pela mescla de romance, comédia e fatos e personagens reais, Shakespeare Apaixonado chegue ao final como uma obra inacabada, ou mesmo como uma obra que tinha às mãos tudo o que lhe era necessário para ser ainda maior, não sabendo aproveita-lo, contudo. Isso, porém, está longe de reduzi-la a um filme ruim. Muito pelo contrário, tratamos aqui de uma obra bastante corajosa por apresentar um Shakespeare sensível e “gente boa” quando tanto especula-se acerca do caráter, sexualidade e religiosidade do verdadeiro William Shakespeare. Uma bela direção de arte, um impecável figurino e texto apaixonado. Tudo isso coloca o filme em merecido destaque, efetivando-o como aquela estória que a gente pode assistir por repetidas vezes com o mesmo encantamento. Enfim, um bom filme. Um bálsamo para almas, tal como a minha, apaixonadas...


(...)


– Queres partir? Ainda não amanheceu. Do rouxinol – não da cotovia – era a voz que te feriu o ouvido. Canta assim todas as noites. Ouve, amor, é o rouxinol.


– Foi a cotovia... anunciando o sol... não o rouxinol. Olhe, amor, o rubor das luzes invejosas que tinge as nuvens no levante. As velas noturnas se apagaram. A aurora pousa os pés na crista das montanhas. Devo partir para viver... ou ficar e morrer.


– Não é a luz do dia que vês. É um meteoro, talvez, que o sol exala para guiar-te esta noite como uma tocha a caminho de Mântua! Fica mais um pouco. Ainda é cedo.


– Que me prendam. Que me matem. De bom grado teu desejo vou cumprir. Prefiro ficar. Não quero partir. Oh morte, és bem-vinda! Julieta assim o quer.


...


Publicado originalmente em CinePlayers.



1 comentários:

Anônimo

eu curto muito esse filme é bem legal....gostei do seu blog, tá de parabéns...abraço!!!

Postar um comentário

Olá! Vai comentar esta minha postagem? É muito simples, bastando seguir os seguintes passos:

i) escreva a mensagem;
ii) escolha o perfil com o qual deseja postar o comentário. Por exemplo: você pode escolher

a) “Conta do Google” caso utilize o Gmail. Nesse caso será solicitada sua ID e senha;
b) “WordPress” caso tenha conta no WordPress;
c) “Nome/URL”, sendo-lhe solicitado o seu nome e endereço do seu site/blog;
d) “Anônimo”;

iii) em seguida é só clicar em “Postar comentário” e pronto!

Obrigado pela visita.
Forte abraço.

Alex

 
(Marm)anjo caído... ◄Design by Pocket, BlogBulk Blogger Templates ► Distribuído por Templates