sábado, 30 de abril de 2016

Desafios do Amor - Thaís Silveira Venzel

sábado, 30 de abril de 2016


O primeiro romance voltado para o público adolescente que li, se bem me lembro, foi Ana e Pedro – Cartas, de Vivina de Assis Viana e Ronald Claver. A este, se seguiram o maravilhoso A marca de uma lágrima, de Pedro Bandeira, O Marido da Mãe, de Maria do Carmo Brandão, e O Primeiro Beijo, de Marcia Kupstas. Todos eles, pendendo mais ou menos para a realidade dos adolescentes, traziam consigo o compromisso de fazer de si um reflexo dos conflitos comumente experimentados pelos jovens. O que não é diferente em se tratando de Desafios do Amor, de Thaís Silveira Venzel, o qual tive agora a oportunidade de ler não como adolescente, mas com deleite equivalente ao que eu teria se o fosse.

Se há alguma distinção entre os títulos inicialmente mencionados e a obra de Venzel, a diferença é, sem sombra de dúvida, o fato de que aqueles, por mais comprometidos que fossem em reproduzir em suas páginas as experiências e emoções características do adolescer, mostravam-se ainda um pouco tímidos em relação a alguns temas – como drogas e sexo na menoridade –, por mais que esses já houvessem se estabelecido de maneira decisiva entre os jovens de sua época. Menina Mãe, de Maria da Gloria Cardia de Castro, por exemplo, era uma raridade naquele tempo. O atualíssimo texto de Thaís Venzel, no entanto, traz essas e outras questões sem necessariamente polemizá-las, optando sempre por uma naturalidade nunca desprovida de reflexão.

Venzel nos apresenta Anne, uma adolescente oriunda de uma família de classe média que passa pela experiência do amadurecimento de forma extremamente dolorosa, mas não menos realista. Outrora dedicada aos estudos, à família e responsável em todos os aspectos, tal como o meio ambiente, o mais próximo que Anne havia estado do real sofrimento era a tragédia pessoal de uma melhor amiga, Vick, mas, como todo adolescente, Anne é “convidada” a conhecer ela mesma a vida em seus tons mais obscuros, o que passa pela intransigência da morte, a experiência da perda, o mundo das drogas (lícitas e ilícitas), a desconstrução da concepção idealizada do pai e – como não podia deixar de ser – os sabores e dissabores da paixão. Na medida em que a vida lhe vai impondo situações dolorosas, a paisagem belorizontina que Anne tanto apreciava durante o trajeto até a escola vai ficando desprovida de sua beleza, o que podemos tomar como sinal de uma transição para um mundo novo – isto é, a vida adulta –, mas não menos belo. Neste ponto, temos uma mera questão de ter ou não a estrutura necessária para se superar os sobressaltos característicos deste processo de transição. Em Desafios do Amor, como é notório, Anne não tinha tal estrutura, representando as centenas de jovens que, apesar da boa educação que recebem, não são preparados, sobretudo emocionalmente, para a vilania que a vida tem como possibilidade.

Visto que sua personagem se trata de uma jovem de dezesseis anos, a autora opta por uma linguagem simples, desprovida da sofisticação, o que, em Desafios do Amor, se configuraria como exagero, afinal, o que temos é um narrador autodiegético, uma história narrada em primeira pessoa por uma adolescente. E, melhor ainda, por trás desta personagem, o que temos não é uma adulta que, embora bem intencionada, escreve com pouca ou nenhuma propriedade, distante que está de sua adolescência. O que temos é a Thaís Venzel também de dezesseis anos, hoje mais crescida, que, ao contar a história de Anne, está a falar sobre um mundo que de fato conhece (o que, naturalmente, de maneira alguma é demérito para os autores com mais de trinta anos que escrevem sobre e para os adolescentes).

Ao ficarmos atentos às nossas sensações durante a leitura de Desafios do Amor, percebemos que não estamos a torcer por uma personagem e tampouco a nos preparar para uma reviravolta emocionante na próxima página. Pelo contrário, estamos a torcer por uma amiga, por uma conhecida, uma prima ou aluna, tão comuns são as experiências por ela vividas: a ausência de estrutura emocional para superar as perdas, os amigos apenas tolerados pelos pais, a busca de refúgio nas drogas e nas relações de caráter duvidoso etc.

Uma vez que temos como certo que, na vida real, dificilmente a personagem sairia com tanta facilidade do mundo no qual se afundou, é possível que a princípio fiquemos insatisfeitos com o desfecho que Venzel dá à saga da jovem Anne, aparente sinal de uma relação afetiva entre autora e personagem, o que dificulta um desfecho vago ou mesmo tráfico. Não obstante, podemos analisá-lo sob uma outra ótica. Ou seja: em se tratando de uma obra que tem os adolescentes como público-alvo, a opção pelo happy end com a realização do amor e uma viagem ao lindo Rio de Janeiro pode ser uma forma de comunicar aos jovens que, apesar dos dissabores, apesar da perda, apesar das situações aparentemente sem saída, dá pra superar, dá pra passar por cima de tudo e escrever uma nova história.

Tanto pela sua escrita quanto pelo seu estilo – uma loira com uma tatuagem que, segundo a própria, sempre fará mais sucesso que os seus livros –, nos sendo possível vislumbrar em Thaís uma futura referência no famigerado gênero Chick Lit, que cresce significativamente no Brasil como resposta aos anseios da mulher moderna. É apenas uma conjectura, claro, havendo como única e incontestável certeza apenas o fato de que a jovem Thaís Silveira Venzel promete!

***

VENZEL, Thaís Silveira. Desafios do Amor, 2 ed. Betim: publicação independente, 2016.


0 comentários:

Postar um comentário

Olá! Vai comentar esta minha postagem? É muito simples, bastando seguir os seguintes passos:

i) escreva a mensagem;
ii) escolha o perfil com o qual deseja postar o comentário. Por exemplo: você pode escolher

a) “Conta do Google” caso utilize o Gmail. Nesse caso será solicitada sua ID e senha;
b) “WordPress” caso tenha conta no WordPress;
c) “Nome/URL”, sendo-lhe solicitado o seu nome e endereço do seu site/blog;
d) “Anônimo”;

iii) em seguida é só clicar em “Postar comentário” e pronto!

Obrigado pela visita.
Forte abraço.

Alex

 
(Marm)anjo caído... ◄Design by Pocket, BlogBulk Blogger Templates ► Distribuído por Templates