domingo, 12 de junho de 2016

O Enigma dos Dados - Marcos Mota

domingo, 12 de junho de 2016


“A feiura que, inicialmente, Isaac havia percebido em Perilato, Bernie, Leônidas e Antíquades acabaria desaparecendo com o tempo. Era sempre dessa forma que as coisas aconteciam. Quando se passa tempo com pessoas interessantes, que acabam sendo chamadas de amigos, nenhuma beleza fica vinculada à sua aparência.” (pág. 92)

O que acontece quando um pré-adolescente inteligente e arrogante, detentor de um grande poder cuja dimensão ele próprio desconhece, embarca em uma arriscada e surpreendente aventura ao lado de um homem de meia-idade e uma garota esperta e igualmente inteligente? Bom, acontece O Enigma dos Dados, primeiro livro da série “Objetos de Poder” de Marcos Mota.

Devo dizer que, ao enveredar pelas páginas do O Enigma dos Dados, eu tinha apenas um objetivo: vencer as minhas resistências em relação à chamada literatura de fantasia, gênero ficcional para o qual eu sempre torci o nariz. Eu já havia, confesso, feito uma tentativa com Julieta Imortal, de Stacey Jay. Tal obra, porém – um baita de um desserviço ao clássico de Shakespeare –, só fez intensificar o meu preconceito contra a literatura fantástica, o que, possivelmente, acabou por me privar de gratas oportunidades literárias. Ademais, ao iniciar a leitura da obra de Marcos Mota, eu era motivado por uma leitura anterior, O Filho do Coveiro, que me revelara um escritor de imensurável qualidade, sensibilidade e habilidade com as palavras. Aquela obra, não obstante, se tratava de um romance. Estariam tais qualidades presentes também em uma obra de gênero tão distinto? E lá fui eu tentar descobrir.

A obra nos leva à Era Medieval, mais precisamente à simplória Finn, cidade do interior do reino de Enigma, mundo fictício repleto de mistérios, de magia... e de trapaceiros. Ou seja: nada muito diferente do nosso mundo real. A propósito, vale mencionar, neste ponto, que tudo em O Enigma dos Dados é ricamente metafórica, a começar pelo próprio reino, que não por acaso leva o nome de Enigma. Trata-se de um mundo criado por Moudrost – o equivalente à “sabedoria” na língua tcheca –, que haveria criado Enigma baseada em sete formas de inteligência, sendo a matemática uma delas. O amor de Moudrost pelas criaturas de Enigma era tal que ela compartilhou com elas a essência de seu poder (como que fazendo dessas criaturas “a sua imagem e semelhança”). Dessas criaturas, dois humanos atingiram o ápice do conhecimento matemático e lógico, respectivamente, sendo a magnitude de tal conhecimento abrigada nos Dados de Euclides e no Cubo de Random, os primeiros Objetos de Poder existentes.

Sim, à certa altura, o autor faz uma verdadeira releitura do Gênesis bíblico, e o faz magistralmente, provando que a intertextualidade é o seu forte, o que parece se evidenciar em suas demais obras.

O jovem Isaac Samus – expert em matemática, mas não tão habilidoso em relações humanas – está de posse de um desses Objetos de Poder, os Dados de Euclides (referência aos Dados RPG e ao matemático comumente tido como o Pai da Geometria, supostamente grego e nascido no ano 330 a.C.), sendo levado por Vicente Bátor, chefe da guarda real, a auxiliá-lo em uma missão: encontrar o Cubo de Random (referência ao Cubo de Rubik, o nosso popular Cubo Mágico), sobre o qual a jovem Gail tem uma pista.


Assim, se segue uma fantástica aventura, a qual podemos resumir à uma luta do bem contra o mal. À obstinada busca pelo objeto cujo poder pode salvar o reino de Enigma. Objeto esse que, se encontrado pelos espiões de Ignor, há de ser utilizado para finalidades perniciosas. Neste ponto, vale dizer que, muito embora o autor cometa o erro de não explorar melhor o ser ou coisa Ignor – apenas mencionando-o por duas ou três vezes em lugar de torná-lo de fato temível, explicitando os reais riscos sofridos pelo reino caso os Objetos de Poder caiam nas mãos de seus espiões –, a mensagem fica bastante clara: trata-se de um embate entre Moudrost e Ignor, a sabedoria e a ignorância. Ignorância essa a qual o protagonista, Isaac Samus, não raro fica próximo de ceder, dados os seus mesquinhos sentimentos de vaidade, preconceito e arrogância. É muito ilustrativo um trecho em que, ao ostentar com arrogância o fato de possuir os dados durante uma conversa às escondidas no cômodo da Oficina de Barcos, Isaac acaba por atrair a atenção dos espiões de Ignor. Ou seja: sentimentos baixos só fazem atrair o inimigo, e o grande vilão metaforizado na obra de Marcos Mota não é o personagem do Cristianismo (embora o texto possibilite tal leitura), mas o nosso próprio potencial para a maldade de modo geral, aqui representada pela ignorância. Se no Gênesis é a desobediência a origem de todos os males, aqui será a ignorância a funesta fonte.

O enigma dos quadros de Penina, bem como a incursão pelo Jardim das Estações, são maravilhosos! Não me surpreende que O Enigma dos Dados venha sendo adotado por tantas escolas da rede privada de ensino de Minas Gerais. Afinal, o cara conseguiu colher na matemática, na filosofia, na história, na própria literatura e até no criacionismo o que necessitava para contar uma história para os jovens, oferecendo aos professores um conteúdo interdisciplinar e, com isso, infinitas possibilidades de trabalho com os discentes. Ademais, vale ressaltar o caráter instrutivo do texto, que, ao abordar a temática da sabedoria, salienta o seu potencial tanto para o bem como para o mal, e, nesse contexto, trata o conhecimento enquanto algo a ser compartilhado para fins grandiosos e benefícios coletivos, e não para hierarquizar os seres humanos.

Uma curiosidade é que foi partindo das fábulas contadas aos seus filhos – bem como fascinado pelos dados de RPG e tendo a curiosidade aguçada pelos sólidos de Platão, a ele apresentados durante a Faculdade de Engenharia –, que o mineiro Marcos Mota desembarcou em terras literárias para fazer morada. Bom para ele, melhor para nós, carentes que somos de uma literatura que seja, a um só tempo, para entretenimento, instrução e reflexão; uma literatura que, ao nos apresentar tantas referências, nos conduza a tantas outras leituras. Não é de surpreender que, ao chegar ao fim a aventura de Isaac Samus e seus amigos, é o leitor quem se vê diante de uma missão: decifrar os enigmas da obra de Marcos Mota! E o digo com total convicção, a despeito do fato de a mesma não haver sido o suficiente para me tornar um amante da literatura fantástica.

Mais importante que esta missão, só mesmo a de nos tornarmos seres humanos melhores, utilizando com sabedoria e em comunhão o poder que nos foi dado para um único fim: proteger o nosso reino! O perigo está sempre à espreita, mas, sempre que a tribulação tomar conta de nós, haverá um "algoritmo de Deus" capaz de nos salvar e fazer a magia acontecer.

***

MOTA, Marcos. O Enigma dos Dados. 2ª Ed. Belo Horizonte: Mou Editorial, 2016.



0 comentários:

Postar um comentário

Olá! Vai comentar esta minha postagem? É muito simples, bastando seguir os seguintes passos:

i) escreva a mensagem;
ii) escolha o perfil com o qual deseja postar o comentário. Por exemplo: você pode escolher

a) “Conta do Google” caso utilize o Gmail. Nesse caso será solicitada sua ID e senha;
b) “WordPress” caso tenha conta no WordPress;
c) “Nome/URL”, sendo-lhe solicitado o seu nome e endereço do seu site/blog;
d) “Anônimo”;

iii) em seguida é só clicar em “Postar comentário” e pronto!

Obrigado pela visita.
Forte abraço.

Alex

 
(Marm)anjo caído... ◄Design by Pocket, BlogBulk Blogger Templates ► Distribuído por Templates